Ritual que teve origem na Europa é realizado na noite da quarta-feira de trevas, na Semana Santa.

Ritual de encomendação das almas é mantido por comunidades ribeirinhas e quilombolas der Oriximiná, no Pará — Foto: Márcio Garcia/Arquivo pessoal

Entre os muitos rituais que marcam a Semana Santa, a “Encomendação das almas” atravessa gerações e mantém viva a tradição de grupos de rezadores em Oriximiná, no oeste do Pará. O ritual é realizado na quarta-feira de trevas. Usando roupas brancas e um manto sobre a cabeça, os rezadores foram até o cemitério Nossa Senhora das Dores, na noite do dia 17, para fazer suas rezas e ladainhas.

 

Segundo o coordenador dos rezadores, Abdias Barreto de Sousa, o ritual secular que foi trazido da Europa pelos padres capuchinhos é mantida até hoje entre as populações ribeirinhas e as comunidades remanescentes de quilombos, já faz parte da cultura do povo de Oriximiná. Prova disso é que em frente às casas, muitos moradores depositam velas acesas para que seus entes queridos já falecidos recebam as orações da encomendação das almas.

Após o ritual no cemitério, rezadores saem em procissão pelas ruas de Oriximiná — Foto: Márcio Garcia/Arquivo pessoal

“Já estou nessa penitência há muitos anos. Ela veio do meu avô, do meu avô passou para o meu pai e do meu pai passou pra mim. Já estou há 40 anos. Comecei com 12 anos acompanhando o meu pai e desde então não parei mais. Nós fazemos as ladainhas e as orações com o Pai Nosso, a saudação da cruz, a sexta santa e o bendito. Depois saímos pelas ruas e onde tem uma vela acesa a gente para rezar. É uma tradição que o povo respeita e que a Cultura trem incentivado”, contou Abdias Barreto.

O ritual tem início à meia noite, quando os rezadores vão ao cemitério apanhar as almas, depois seguem em procissão pelas ruas de Oriximiná. E termina à noite da sexta-feira santa, quando eles retornam ao cemitério à meia noite, para devolver as almas.

Velas são deixadas por moradores em frente às residências para que os encomendadores de almas façam orações nesses locais — Foto: Márcio Garcia/Arquivo pessoal

Com origens na Europa do Século X, a Encomendação das Almas mistura ritos pagãos e cristãos e tem como objetivo direcionar as orações - sete pai nossos e sete ave-marias - para sete tipos de almas: Jesus Cristo, pais falecidos, santas benditas, almas com pecado mortal, as que morreram na água, as do purgatório e as necessitadas.

Encomendadores de almas em procissão na madrugada pelas ruas de Oriximiná — Foto: Márcio Garcia/Arquivo pessoal

Fonte: Sílvia Vieira, G1 Santarém — PA - 18/04/2019

*Colaborou Márcio Garcia, de Oriximiná