Cheia do rio Trombetas em Oriximiná, no oeste do Pará (Foto: Ascom/PSM)

A Defesa Civil Regional segue monitorando os municípios que apresentam riscos com as enchentes e os desastres naturais por conta da subida dos rios e das chuvas no período do inverno amazônico. Segundo o Corpo de Bombeiros de Santarém, o monitoramento do órgão é feito em 13 cidades do oeste do Pará, que estão dentro da área de atuação do grupamento. Em Oriximiná, as enxurradas obrigaram a Prefeitura decretar situação de emergência.

1º TRIMESTRE DEVE CHOVER MAIS DE 950 MM NA REGIÃO

 

Segundo o Corpo de Bombeiros, a enxurrada em Oriximiná afetou a área urbana e rural e deixou uma família desabrigada e quatro famílias desalojadas. Pelo menos 20 pessoas tiveram que abandonar as casas em busca de um local seguro. Não há registro de mortos ou feridos no município, segundo a Defesa Civil. Para minimizar os transtornos, os moradores estão recebendo assistência de Bombeiros, da Defesa Civil e do Governo.

Assistência aos municípios

As ações no estado estão sendo coordenadas por dois centros de controle e monitoramento, um em Marabá e outro em Santarém, que juntos integram o Sistema de Comando de Operações, onde serão concentradas todas as informações voltadas ao enfrentamento de desastres. Além disso, serão apresentadas as necessidades de ações nas cidades para que, em conjunto, os órgãos estaduais e municipais possam agir.

As reuniões operacionais para definir os boletins de ocorrência e ações para o dia seguinte serão realizadas diariamente. Entre as linhas estratégicas de ações de gerenciamento de desastres estão em primeiro lugar o monitoramento e o atendimento emergencial por parte dos Corpo de Bombeiros, seguido de assistência social, segurança pública e serviços de transporte e infraestrutura por parte das prefeituras.

Previsão de chuvas na região

Estatísticas apontam que março e abril são os meses que mais chovem na região. Em Santarém, o nível do rio Tapajós está 14 cm mais baixo em relação ao mesmo período de 2017. O que mais preocupa as autoridades é o volume de chuvas e os riscos de desastres. “A indicação é de mais chuvas além do normal. O prognóstico aponta que 40% da região terá chuva acima do normal”, explica a meteorologista, Lucieta Martorano.

Fonte: Adonias Silva, G1 Santarém, PA