Por G1 Santarém — PA - 05/10/2018

A iniciativa do cursinho preparatório quilombola surgiu em 2015 de forma voluntária e agora faz parte do processo institucional da Ufopa.

Estudantes quilombolas de Santarém e Monte Alegre — Foto: Ascom Ecam/Divulgação

Mais de 100 jovens quilombolas estão em sala de aula em Oriximiná, no oeste do Pará, sonhando em conquistar uma das 81 vagas ofertadas no Processo Seletivo Especial da Univerisdade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), que ocorre no final de outubro. Da disputa, participarão quilombolas dos municípios Monte Alegre, Juruti, Alenquer, Óbidos, Oriximiná, Itaituba e Santarém.

 

Segundo dados da Ufopa, até o PSE de 2018, 737 alunos ingressaram na universidade por meio dos processos seletivos especiais, sendo 487 indígenas e 250 quilombolas.

A expectativa da Associação das Comunidades Remanescentes de quilombos de Oriximiná (Arqmo) é que mais quilombolas tenham acesso à universidade. “Quando a gente assumiu a coordenação da Arqmo pela primeira vez tinham cinco quilombolas no processo seletivo da Ufopa e era um número muito baixo, onde percebemos que era preciso fazer algo, em 2016 nós conseguimos dar um salto bem grande, aproximadamente 14 quilombolas entraram para a Universidades e esse percentual foi só aumentando”, frisou Claudinete Colé, coordenadora administrativa da Arqmo.

Parceria

Foi por meio de parceria com professor Luiz Fernando França, um dos idealizadores do cursinho quilombola na região, que foi implantado o cursinho pré-vestibular quilombola em Oriximiná. Atualmente, o projeto conta também com o apoio da Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam).

Segundo o professor Luiz Fernando França, o cursinho faz parte de uma ação afirmativa que dá suporte aos quilombolas desde a abertura da inscrição até o resultado final do recurso. “O objetivo principal é ajudar os estudantes estarem preparados para a prova da Ufopa. Hoje temos quilombolas em Santarém e nos Campis fora da sede (Juruti, Itaituba, Oriximiná, Óbidos, Monte Alegre e Alenquer), a gente espera muitos inscritos para esse processo 2019 e além do acesso nós temos que pensar na permanência desses estudantes com bolsas e acompanhamento”, disse.

Entre os alunos do cursinho preparatório quilombola está a jovem Josilane dos Santos, moradora do Quilombo de Boa Vista Trombetas. Aos 22 anos ela sonha cursar Ciências e Tecnologia das Águas, e para alcançar seu sonho ela sai da sua comunidade disposta a participar das aulas no Campi da Ufopa em Oriximiná.

“A maior dificuldade está em relação a concorrência do curso, a gente tem que estudar bastante para ter uma nota boa, e como no quilombo não há escolas do ensino médio a gente tem que se deslocar para cidade, onde muitas vezes não temos onde ficar, isso se torna mais difícil e o vestibular quilombola é uma oportunidade para gente estudar”, disse Josilane.

Solidariedade

O projeto do cursinho preparatório para o vestibular quilombola iniciou de forma voluntária em solidariedade aos jovens quilombolas do oeste do Pará. A ação deu tão certo que, jovens que ingressaram na universidade após participarem como alunas do cursinho tiram um pouco do seu tempo para ajudar outros.

Estudantes quilombolas de Santarém e Monte Alegre — Foto: Ascom Ecam/Divulgação

Rafaela Oliveira dos Santos, 24 anos, cursa Ciências Atmosféricas. Ela entrou na Ufopa em Santarém em 2017. É natural do quilombo Passagem, do município de Monte Alegre, e reconhece que as dificuldades para cursar o nível superior vão além do passar na prova do processo seletivo, mas acredita que o sacrifício trará melhorias para a sua comunidade. “Eu me sinto realizada em ter conseguido essa vaga, foram muitos dias de sofrimento, mas eu tive ajuda e hoje sou voluntária no projeto porque quero contribuir com outras pessoas, a gente sabe que são poucas vagas, mas não há prazer maior do que o ver o sorriso da sua família quando você entra na universidade”.

Outra jovem quilombola voluntária no cursinho ministrado no Oeste do Pará é a estudante do Curso de Letras 2018 da Ufopa de Santarém Izabel Ribeiro dos Santos, natural do Quilombo de Bom Jardim, aos 22 anos ela sonha em concluir a universidade e voltar a sua comunidade. “Não foi fácil porque o ensino na escola pública é precário, fui aluna do cursinho e todas as vezes que pensava em desistir o professor incentivava, até porque depois de anos sem direito a educação agora a gente tem uma cota, e entrar na universidade é um sonho realizado".

Inclusão

A meta da Ufopa, segundo o professor Luis Fernando é alcançar mais jovens quilombolas para o vestibular especial. As inscrições para o processo seletivo seguem abertas até o dia 07 de outubro e podem ser realizadas através do site da Ufopa, conforme edital.

De acorco com o professor, até quinta-feira (04) mais de 500 jovens já haviam realizado suas inscrições e a próxima etapa do cursinho preparatório será realizada nos dias 27 e 28 de outubro, dias antes da aplicação das provas marcadas para 31 de outubro.

“O objetivo de uma ação afirmativa como o cursinho e o processo seletivo especial da Ufopa é ampliar as oportunidades, fazendo com que as comunidades tenham profissionais que foram formados pelas universidades públicas e que retornem para as suas comunidades, fortalecendo a luta pelos seus territórios e por sua identidade. A ação afirmativa é parte de uma luta maior por direitos porque os quilombolas acima de tudo são sujeitos de direitos e a universidade tem um papel importante”, pontuou Luiz Fernando.

O cursinho quilombola já é parte da conquista dos povos tradicionais. “Sou a prova viva de que a gente não tem que colocar limite nos nossos sonhos. Eu não tive como fazer lá atrás por falta de condições e com esse processo seletivo especial foi possível abrir essa porta”, assegurou Claudinete Colé, que sonha em 2022 concluir o curso de Sistema da Informação no Campi da Ufopa em Oriximiná.