tracajás filhotess

Na manhã chuvosa do dia 8 de dezembro, foram soltos os primeiros 5 mil filhotes de quelônios das espécies tracajá e pitiú ou iaça no Lago Erepecu, interior da Rebio do Rio Trombetas. A soltura foi acompanhada por quilombolas das comunidades do interior e entorno da Rebio, moradores da vila de Porto Trombetas, pesquisadores e apoiadores do projeto. Aproximadamente 120 pessoas participaram do evento de soltura, que é sempre um momento de alegria e de encanto pela natureza.

tracajassolturaa

Entre dezembro e janeiro são realizados ao menos dois eventos de soltura de filhotes para sensibilização do público local e para confraternização dos envolvidos no Projeto. No evento de soltura, são apresentados o Projeto e seus principais resultados (n° de ovos, n° de filhotes da temporada anterior) e após a soltura dos filhotes é feita distribuição de camisetas do projeto e lanche. O próximo evento de soltura será dia 19 de janeiro do 2019, e serão soltos filhotes de tartaruga-da-amazônia (Podocnemis expansa) no Rio Trombetas.

Em 2017, a Rebio investiu R$ 131 mil em recursos do ARPA no monitoramento de quelônios. Foi a UC que mais investiu recursos financeiros do ARPA na conservação de quelônios até o momento. “Na temporada de 2017 - setembro/2017 a janeiro/2018 - tivemos o melhor resultado de proteção de filhotes de tracajás e pitiús na Rebio. Foram 29.395 mil filhotes de pitiú e tracajá soltos ”, ressalta gestora do NGI ICMBio Trombetas, Deborah Castro de Lima. Nos tabuleiros do Rio Trombetas foram protegidos 621 ninhos e 31.774 filhotes de tartarugas da Amazônia (Podocnemis expansa) na temporada anterior, um resultado que mostra uma estabilização da quantidade de ninhos e fêmeas de tartarugas nos tabuleiro da Rebio com um resultado acima da média dos últimos 12 anos.

Além do elevado investimento financeiro, o projeto se destaca por contar com um significativo número de voluntários comunitários, são 27 famílias que trabalham no projeto a cada temporada (6 meses/ano), totalizando mais de 100 pessoas participantes por temporada, entre voluntários, agentes ambientais contratados pela FUNTEC/DF e servidores do ICMBio.

Os voluntários e agentes ambientais são capacitados no início da temporada e realizam manejo e monitoramento de ninhos até o nascimento dos filhotes, são responsáveis por identificar cada ninho com piquete e coletar dados de campo, monitorando desde a coleta de ovos até a eclosão e contagem dos filhotes nas chocadeiras e ninhos naturais. Os ninhos encontrados em praias não protegidas são manejados para as “chocadeiras” em praias protegidas, evitando, assim, o consumo humano ou comércio dos ovos. Os quelônios são alvos de caça ilegal em Porto Trombetas, Oriximiná/PA e região, pois seu consumo é um hábito cultural arraigado em várias partes da Amazônia.

O Projeto visa fortalecer uma cultura de preservação, em que os comunitários e sociedade percebam a importância das áreas protegidas e do manejo conservacionista para manter as populações desses animais, evitando que a predação humana esgote os recursos naturais dos lago Erepecu dentro da Reserva Biológica onde há comunidades quilombolas e um processo em curso de titulação de Territórios Quilombolas sobrepostos à Rebio, esse esgotamento de recursos é uma realidade em outros lagos da região, fora da Rebio, em que a população de quelônios e de peixes grandes está escassa.

Comunicação ICMBio, 17 de Dezembro de 2018