Unidade de conservação é fundamental para a conservação das tartarugas-da-amazônia e de antigos castanhais.

foto matéria 40 anos rbt

Nesta segunda (23), servidores, funcionários contratados e colaboradores da UC comemoraram a data. (Foto:Acervo/ICMBio)

No último sábado (21), a Reserva Biológica (Rebio) do Rio Trombetas completou 40 anos de criação. Desde 1979, as equipes que passaram pela unidade de conservação trabalham pela conservação das tartarugas-da-amazônia (Podocnemis expansa) e dos extensos e antigos castanhais que caracterizam a vegetação da Rebio, além de inúmeras outras riquezas da fauna e flora local.

Nesta segunda (23), servidores, funcionários contratados e colaboradores da Unidade de Conservação realizaram uma confraternização em comemoração à data na sede do Núcleo de Gestão Integrada do ICMBio em Porto Trombetas, responsável pela gestão da Rebio e da Floresta Nacional Saracá-Taquera.

Além da homenagem, estão programadas outras atividades comemorativas em alusão não só ao aniversário da Rebio do Rio Trombetas, mas também da Flona Saracá-Taquera que completará 30 anos em dezembro. Palestras, ações de sensibilização durante o período de soltura dos filhotes de quelônios nas comunidades quilombolas envolvidas no Projeto Quelônios do rio Trombetas (PQT), e em outros momentos, bem como atividades especiais planejadas em conjunto com os conselheiro das duas unidades de conservação.

Resultado de imagem para rebio rio trombetas

A missão da Reserva Biológica do Rio Trombetas, localizada no município de Oriximiná no Pará, é conservar a biodiversidade local com ênfase na população de tartarugas-da-Amazônia do rio Trombetas e dos castanhais considerando as interfaces com territórios quilombolas. O nome da unidade é devido ao rio Trombetas que faz parte da Reserva em seu curso de Cachoeira Porteira até o Lago do Mussurá.

Fonte: Comunicação ICMBio