Iniciativas conduzidas por mineradoras e parceiros locais ajudam a manter sob controle a crise da Covid-19.

Barco-hospital Papa Francisco — Foto: Divulgação

Iniciativas solidárias, que vão da doação de alimentos, materiais de higiene e limpeza, até o atendimento de saúde preventiva, estão contribuindo para manter o contágio de Covid-19, até o momento, controlado nos municípios de Oriximiná, Juruti e Terra Santa, no oeste do Pará, com registro em torno, de 0,34% do número total de casos no estado, que, até a noite de terça-feira (12), contabilizava mais de 9 mil pessoas contaminadas.

Nos municípios de Oriximiná e Juruti, comunidades tradicionais, entre quilombolas, ribeirinhas e indígenas, vivem em áreas distantes, que demandam, em média, de 4 até 12 horas de deslocamento para centros mais próximos como, por exemplo, Santarém.

As iniciativas são conduzidas pelas mineradoras de bauxita Alcoa e Mineração Rio do Norte (MRN) em parceria com prefeituras, associações quilombolas, ribeirinhas e indígenas, lideranças comunitárias destes municípios e instituições como Ministério Público , universidades, ICMBio, por meio de comitês, que discutem propostas e soluções, visando manter a integridade das comunidades tradicionais do entorno durante a pandemia.

O médico Joseraldo Furlan, coordenador do projeto Quilombo, é um dos parceiros destas iniciativas. Desde o dia 18 de março, quando foi anunciado o primeiro caso de Covid-19 no Pará, ele passou a visitar as comunidades da região, para, de forma lúdica e educativa, levar informações preventivas sobre o novo coronavírus como a necessidade da higienização das mãos e objetos de uso cotidiano, de redobrar os cuidados com os idosos e a importância de manter o isolamento social.

Nos atendimentos, Furlan gravou vídeos com as principais dúvidas da comunidade sobre a Covid-19 e divulgou como um programa intitulado Pergunte ao Dr.Jô.

O projeto Quilombo é realizado há mais de 20 anos, atendendo 14 comunidades dos territórios quilombolas do Alto Trombetas 1 e 2. Nessa fase eles estão atuando com uma ampla campanha de prevenção contra a Covid-19, que inclui carro-som, “barco-som”, plataformas digitais, rádio e WhatsApp, reforça os trabalhos do projeto na conscientização junto às comunidades.

Kits de testes rápidos doados os Hospital Municipal de Juruti — Foto: Divulgação

No município de Juruti, o Barco-Hospital Papa Francisco, administrado pela Associação Lar São Francisco na Providência de Deus, recebeu doação da mineradora Alcoa, no valor de R$ 400 mil, que vai reforçar os atendimentos em saúde para 700 comunidades ribeirinhas do Oeste do Pará. O recurso doado será utilizado em ações de prevenção e combate ao novo coronavírus junto a estas comunidades.

“Gostaria de agradecer pela comunhão de parceria da Alcoa com a nossa associação na construção do Hospital 9 de abril, que administramos, ultrapassando os 160 mil atendimentos. E a empresa também faz com que o Barco-Hospital chegue às comunidades mais distantes do Rio Amazonas, levando saúde, fé e esperança a tantas pessoas”, declarou Frei Francisco Belotti, que conduz a associação.

Doações de cestas básicas

O representante da tribo Wai Wai, João Wai Wai, é um dos beneficiados com as doações de 5.220 cestas básicas, que incluem alimentos, material de higiene e limpeza, e que estão contribuindo para garantir alimentação e cuidados preventivos no enfrentamento à pandemia.

“Esse benefício contribui para a prevenção da população indígena, que ficou na cidade (Oriximiná) e não pode retornar para as aldeias, pois precisa manter o isolamento na cidade até voltar à normalidade”, disse.

Milhares de famílias de outras 26 comunidades quilombolas, ribeirinhas e indígenas do Oeste do Pará também estão recebendo as cestas desde a segunda quinzena de março. A ação contribui ainda para manter essas comunidades em isolamento social, evitando que façam deslocamentos de suas casas para a compra de mantimentos, resguardando-as de situações de risco durante a crise.

Mineração Rio do Norte investe R$ 3 milhões no combate à Covid-19 ...

Cestas básicas são doadas a comunidades quilombolas em Oriximiná — Foto: Divulgação

Em Juruti, grupos de trabalhadores informais e famílias em situação de vulnerabilidade social começaram a receber cestas com itens alimentícios e de higiene, doados pelo Instituto Alcoa em parceria com o Instituto Juruti Sustentável e a prefeitura local. As 1.623 cestas serão entregues em três etapas, garantindo segurança alimentar aos beneficiários nos próximos três meses de enfrentamento da pandemia. “

Agradecemos esta iniciativa porque nossos associados tiveram redução de trabalhos porque precisaram se afastar quando a epidemia começou porque não tinha condições de todos trabalharem ao mesmo tempo no porto. A ajuda com as cestas básicas é muito importante, pois os estivadores precisavam nesse momento”, destacou o presidente da Associação dos Estivadores de Juruti, Aureliano dos Santos Ramos.

Para Francisco Lima, que viu sua renda como taxista cair em até 80% depois da pandemia, a doação das cestas está sendo fundamental para garantir a alimentação em casa: “Estávamos precisando dessa ajuda. As cestas foram muito bem recebidas”.

Investimentos no apoio à saúde pública

Os cerca de R$ 4 milhões investidos pela MRN para contribuir no combate à Covid-19 em municípios do Oeste do Pará estão sendo utilizados, além da compra de cestas básicas, na aquisição de 900 testes rápidos para diagnóstico da Covid-19, cuja uma parte será distribuída aos hospitais municipais de Oriximiná e Terra Santa.

O recurso também está sendo usado para a compra de equipamentos e materiais de limpeza, que serão distribuídos aos Hospitais Municipais de Oriximiná e Terra Santa. “Estas ações serão mantidas enquanto durar a pandemia”, declara Vladimir Moreira, Diretor de Sustentabilidade da MRN.

Entre as recentes ações preventivas e de combate à Covid-19, por meio de parceria com o Consórcio Juruti Melhor, a Alcoa doou 1.100 kits de testes rápidos para diagnosticar a doença ao Hospital Municipal e ao Hospital 9 de Abril. Também iniciou a doação de uma série de itens médicos, que estão sendo adquiridos.

“Quando foi confirmada a pandemia do novo coronavírus, colocamos em prática um plano de apoio às condições de saúde na cidade com a doação de vários itens médicos para a cidade fazer frente a essa situação. Também estamos fazendo ajuda humanitária com a doação de cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social e apoiamos o Barco-Hospital”, declarou o gerente geral da Alcoa Juruti, Genesis Costa.

Fonte: G1 Santarém, 13/05/2020.