MANAUS - Projeto da empresa Manaus Transmissora de Energia S.A., beneficiando quinze municípios dos estados do Amazonas e Pará está sendo analisado pela Sudam, com vista a obtenção de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia – FDA.

O empreendimento prevê a construção de 558,25 km de linha em circuito duplo de 500KV, servindo os municípios de São Sebastião do Uatumã, Silves, Rio Preto da Eva, Urucará, Nhamundá, Itacoatiara e Manaus, no estado do Amazonas.

No estado do Pará o linhão cobrirá as cidades de Altamira, Prainha, Faro, Curuá, Oriximiná, Alenquer, Óbidos e Terra Santa, que passarão a ser supridos diretamente com energia gerado pela Usina Hidroelétrica de Tucuruí.

 O projeto está orçado em R$ 1.3 bilhão, cabendo ao FDA investimento da ordem de 30,89% desse montante, propiciando a arregimentação de mão-de-obra estimada em 7.700 empregos diretos.

De acordo com a assessoria da Sudam, O Banco da Amazônia injetará 10,77% de recursos oriundos do FNO, e o BNDES entrará com 28,34%, cabendo à empresa proponente investir 30% de recursos próprios.

Essa projeção foi apresentada ontem em reunião realizada na Sudam, com a participação do superintendente Djalma Mello, e do diretor da carteira de investimentos, Inocêncio Renato Gasparim, da Sudam; Luciano Junqueira, presidente, e Paulo Sérgio de Oliveira, diretor da empresa proponente Manaus Transmissora de Energia S.A.; José Cunha e Marilene Ribeiro, do Banco da Amazônia; dos técnicos Marta Maria Rocha de Mattos e Admilson Monteiro, da Coordenação de Captação e de Gestão do FDA, além do consultor de projetos Antonio Brito.

Segundo informaram os diretores da MTE/S.A, o projeto é resultado de licitação pública para outorga de concessão conduzida pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), devendo ser inaugurado em 2012, quando o linhão entrará em operação ligando grande número de regiões até então isoladas ao Sistema Interligado Nacional.

De acordo com a assessoria, o projeto pode contribuir com a redução da tarifa ao consumidor, pela diminuição da despesa relativa à conta de consumo de combustíveis fósseis e eliminando usinas a diesel, além de proporcionar o crescimento econômico dos municípios e o bem-estar social das populações residentes nos entornos da linha de transmissão.

O sistema contará com três subestações, em Oriximiná, Silves e Lechuga, totalizando posteamento em 1.132 propriedades em áreas já vistoriadas e previamente licenciadas pelo Ibama.

A presença de sítios arqueológicos foi constatada pela empresa Scientia, encarregada da prospecção, devendo ser preservados e outros resgatados com o aval do  IPHAN.

( Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. , 11 de setembro de 2010)