Quando, em 1882, fizemos uma viagem pelo rio Trombetas, foi para nós uma agradável surpresa, avistando a engraçada e nascente povoação do Uruátapera, fundada pela diligência do padre José Nicolino.

A escolha do lugar, quanto a beleza e posição geográfica, demonstra claramente a inteligência de quem o escolheu.

Uruátapera está colocada na margem esquerda do rio Trombetas, na parte em que este grande tributário do Amazonas recebe as águas do Jamundá, pelo largo e profundo canal do Sapucuá, que deságua na margem direita, mesmo fronteiro à povoação, tendo, pouco abaixo, cerca de um quilômetro, o paraná-miry do Cachoery.

O assento da povoação é sobre um terreno alto, de cerca de 20 metros sobre o nível da maior cheia do rio; e estende-se plano para o centro, até encontrar a margem do lago Yripity, formando um tabuleiro de cerca de 2 quilômetros de largura.

O lago Yripity tem uma boca franca e navegável para pequenos barcos; esta fica ao sul do povoado e fronteira à do Cachoery. O lago é muito piscoso e sadio, sendo rodeado de vastas florestas virgens.

Nele já houve um estaleiro pertencente a um velho italiano de nome Vicenti, no qual se construíram lindos e sólidos navios de alto bordo, como a “Flor do Amazonas”, a “Maria Elias” e outros.

O lago é habitado e mui formoso, apesar do seu aspecto ainda selvático.

O lugar do Uruátapera, onde se acha a freguesia fundada pelo padre José Nicolino, não tinha um só habitante há 15 anos atrás; e, no entretanto, em 1882 já possuía 51 casas, sendo 31 cobertas de telhas, uma boa capela, construída pelos fiéis, sob os auspícios do padre e mais de 5 casas de comércio.

A iniciativa particular, dirigida por um homem superior e patriota, veio demonstrar a todas as luzes o seu poder naquela localidade.

Vai-se criando, a 50 quilômetros de Óbidos, uma grande vila que será, em futuro breve, o empório das riquezas do vale do Trombetas e o entreposto do município de Faro.

O seu porto tem capacidade para abrigar centenas de navios de todas as lotações; e o rio Trombetas, daí para cima, alarga o seu majestoso leito, semeado de ilhas firmes e desenrola o panorama mais esplêndido que se pode imaginar.

É um verdadeiro centro das fazendas agrícolas do paraná do Cachoery e das fazendas de criação do Sapucuá, ilha dos Picanços, Mariapixy e Piraruacá.

Muitos vapores já frequentam, e está, pela sua colocação, principiando a servir de ponto de recreio aos habitantes de Óbidos, que para ali se transportam em lanchas a vapor.

Satisfeito o seu primeiro desejo de fundar uma povoação e ter uma igreja sua, o padre José Nicolino julgou oportuno verificar o que se tinha lido nos manuscritos traçados pelos corajosos filhos da Companhia de Jesus que, em outros tempos, armados da fé e da cruz, devassaram as florestas e as desertas savanas, à caça de almas para o cristianismo e de braços para o trabalho útil.

(...)

Publicado no jornal Gazeta de Alenquer de 23 de julho de 1890.

Fonte: Blog do Padre Sidney Canto, sexta-feira, 9 de março de 2018  http://sidcanto.blogspot.com/2018/03/uma-descricao-dos-primordios-de.html