Leize Silva

Nesta época ano, com a vazante dos rios e lagos, as praias de nossa região mostram-se belas e convidativas, tornando-se a principal opção de lazer e refúgio aos finais de semana. Dessa combinação de praia e lazer desponta um perigoso problema: a poluição nesses ambientes. Em Oriximiná as praias mais visitadas são as do Lago Iripixi e Caipurú devido à proximidade com a cidade.
A rigor, a facilidade de acesso deveria ser o principal motivo para a conservação e preservação desses locais, mas o que se percebe é que a maioria banhistas não está preocupada com o destino do lixo que produzem, deixando as praias cheias de latas de cerveja e refrigerante, garrafas e embalagens. Uma questão triste e preocupante.
Diante dessa realidade surgem projetos como “Natureza Quer Vida”, realizado há 3 anos pela comunidade Nossa Senhora de Nazaré, Lago Iripixi. O projeto desenvolve palestras entre os moradores do lago voltadas para consciência ambiental, além de puxiruns para coletas de lixo na Orla do Iripixi.
“A natureza é nossa, nós temos que preservá-la. As pessoas não têm a consciência de coletar seu lixo e isso é prejudicial. Aqui a gente não vê mais o boto, muitos peixes já sumiram”, lamenta Dinéa Machado, coordenadora da Comunidade.

Praia do Caipuru (saletemarinho.blogspot.com.br)

As comunidades do Lago Caipurú também estão se mobilizando, em parceria com a UNIDA (Unidade Integrada de Defesa Ambiental), para salvar o lago da poluição. No final do mês de agosto estiveram realizando o plantio de mudas de espécies de igapó, nas praias do lago, além de distribuir sacos de coleta de lixo e orientação aos banhistas.
Para diminuir o acumulo de lixo nas praias o Secretário de Meio Ambiente, Cláudio Navarro, já solicitou que empresa responsável pelo serviço de limpeza urbana faça também coleta de lixo nas praias e acrescenta: “Ao se dirigir a uma praia, que você banhista recolha seu lixo dentro de uma sacola e faça o depósito em uma área onde será feita a coleta de lixo”, declara.